Roma, dois dias em um – dias 1 e 2.

Chegamos em Roma por volta de 9h30. Esperamos um bom tempo até pegarmos as malas, pois o aeroporto concentra as bagagens de vários vôos diferentes numa mesma esteira. Partimos em busca do Sitabus, o ônibus que parte do aeroporto e para na Piazza Cavour e Termini. Pegamos um engarrafamento grande, demorou para chegar. Saltamos na primeira estação e andamos um bom pedaço até o hotel.

Fizemos o check-in sem problemas, atendidos por uma funcionária bem simpática. Saímos para comer no Burguer King, pertinho do hotel e depois voltamos para nosso quarto, de onde não saímos mais o dia todo. Estávamos cansados demais pelo fato de acordarmos muito cedo e estarmos com cansaço acumulado dos outros dias.

No dia seguinte tivemos que alterar o roteiro original para podermos ver ao menos algumas das principais atrações de Roma. Naturalmente, acabou ficando um pouco corrido. Fomos para a estação de metrô comprar o Roma Pass e já o utilizamos para pegar o metrô até a Galleria Borghese, reservada para às 9 da manhã. Usamos o GPS para nos orientarmos na Villa Borghese, enorme parque onde está situado o museu e se não fosse por isso teria sido um pouco difícil, já que a sinalização é muito ruim a partir da estação Piazza di Spagna, onde havíamos saltado. Chegamos a nos perder por um momento, quando o GPS ficava com lag, mas um casal nos ajudou a chegar.

No papel da reserva faziam um terrorismo de que você tinha que chegar meia hora antes para resgatar seu bilhete ou o perderia, mas o setor mesmo só abriu uns 20 minutos antes e não havia um controle sobre isso. Exigiram que deixássemos nossas coisas na entrada, inclusive câmeras, mas depois descobrimos que se passássemos com a câmera escondida não haveria como descobrissem.

O museu é legal, fácil de visitar, pois é bem distribuído e relativamente pequeno em relação aos grandes museus. Vimos várias obras interessantes. Não optamos por alugar áudio-guia, pois era muito caro. Algo entre 5 e 8 euros se não me engano.

O tempo de visita foi bem adequado, algo em torno de 2 horas. Ao final, caminhamos em direção à estação de metrô, ao menos até onde achamos que era. Pedimos informação a um senhor muito simpático, que nos indicou uma estação ainda mais perto da que estávamos procurando. Pegamos a Via Veneto

Chegamos na estação Barberini, pegamos o metrô usando o Roma Pass e saltamos na Termini, onde fomos conhecer o Coliseu. Gostamos de lá, é realmente impressionante.

Saímos de lá,

tiramos fotos no Arco de Constantino

e partimos em direção ao Fórum. Estávamos com muita sede, mas resistimos à tentação de comprar água a 2 euros. Isso foi essencial, pois dentro do Fórum há fontes com água potável de graça.

O Fórum foi um pouco decepcionante, pois está tudo muito destruído. Fica difícil imaginar como era. E o lugar é muito vasto, de modo que nos cansamos muito rapidamente. Estávamos tão cansados e famintos que não conseguimos sequer conhecer o Palatino. Partimos em busca de um lugar para almoçar.

No caminho, passamos pelo Monumento Vittorio Emanuelle

e pelo Fórum de Trajano.

E pela Chiesa Ss. Nome di Maria. Por todo esse tempo tudo o que vimos foram quiosques que cobravam preços exorbitantes e nos recusamos a ficar por lá. Andamos um pouco mais e achamos um restaurante. Comi uma pizza marinara meia boca e Luciana um espaguete à bolonhesa, também meia boca. Ainda pior foi a sobremesa, um tiramisú que mais parecia um bolo com um pouco de café em cima. Mas matou a nossa fome.

Continuamos andando, passando pelo Palazzo Barberini, já um pouco perdidos, até que por acaso chegamos a algo que descrevi parecer um monumento deslumbrante. Ao nos aproximarmos, constatamos que era a Fontana de Trevi. De fato, maravilhosa. Um dos pontos mais bonitos da cidade.

Ficamos ali por um tempo curtindo o local, abarrotado de turistas e de indianos chatíssimos que se ofereciam “gentilmente”para todos os turistas para tirarem fotos deles. Obviamente, nada é de graça e recusamos. Luciana cumpriu o protocolo e jogou uma moedinha de 2 centavos, que renderá 2 milhões de euros no futuro, quando o desejo for realizado.

Saímos de lá e passamos pela Piazza Barberini.

Em seguida, chegamos ao Pantheon. Muito bonita a igreja, imponente.

A Piazza della Rotonda, onde fica o Pantheon, também é legal.

Ao redor dela, paramos numa sorveteria e fomos atendidos por uma italiana estúpida, que não gostava de turistas. O sorvete que escolhemos era de limoncello, uma bebida local a base de limão. Bem, era uma merda como a vendedora, pior gelateria da viagem.

Em seguida, caminhamos mais e paramos na Piazza Navona. Bonita, com uma fonte bem legal, a Fontana dei Quattro Fiumi.

Lá um sujeito tocava com muito talento sucessos do rock, como Dire Straits e Eric Clapton, dando um toque especial ao local.

Nesta mesma praça está a embaixada brasileira:

Resolvemos voltar para a Fontana de Trevi, pois é perto da estação de metrô e seria legal revê-la de noite. Foi uma boa experiência, é iluminada e cheia de vida.

Após muita insistência, convenci Luciana a fazer a famosa pose de La Dolce Vita

Saímos, fizemos uma parada rápida na Fontana del Tritone

E voltamos pro hotel, podres de cansaço.

Anúncios
Esse post foi publicado em 1.6 - Roma início - 2 dias em 1. Bookmark o link permanente.

14 respostas para Roma, dois dias em um – dias 1 e 2.

  1. Luciana disse:

    O cansaço depois do fórum foi tb devido ao sol cruel.

    Eu apreciei aquele sorvete na praça =]

    • Enrico Luzi (ragazzo mezzo italiano mezzo petropolitano) disse:

      Bota moral nisso aí Luciana, o guri tá na europa tomando gelato e reclama ! Mandar ele pro Piscinão de Ramos tomar um KiboM original ! hahaha 🙂

      • luademochila disse:

        É que foram tantos “gelatos” bons que eu podia me dar ao luxo de esnobar, haha. Aqui no Brasil mesmo estive comentando com Luciana como é deprimente ver um “gelato” (aspas dessa vez porque não passam perto do sabor do original) sendo vendido caríssimo, por até 13 reais, quando compramos o melhor sorvete da minha vida por pouco mais de 2 euros !

        Ragazzo, não deixe de continuar a ler o blog. No meio dos posts da França há um “easter egg”, uma referência a uma experiência de V.Sa, haha.

  2. André disse:

    Qual o tempo mínimo que vcs acham que dá pra conhecer Roma? Dicas? Hoteis? Restaurantes? Gasto diário? Muito Obrigado pelas informações,

  3. luademochila disse:

    Mínimo do mínimo é o que fizemos. Tem que ser 3 dias completos pelo menos. Hotel de Roma não recomendo. Restaurantes só fomos em um, que não era bom e não me lembro o nome, de resto comemos no Burguer King e enchemos o frigobar. Gasto diário depende da pessoa. E dicas, há uma seção só pra isso no blog, bem detalhada.

  4. Alessandro Paiva disse:

    Comecei a viagem a Roma, neste ano, pela Galleria Boeghese. O bilheteiro de lá foi tão grosso que desistimos de visitar o museu. Ficamos putos demais! Lembro que um bilhete custava 13,50. Dei 50 euros para que ele cobrasse dois bilhetes (27 euros) e ele jogou a nota de volta em minha direção pedindo cartão de crédito. Depois de uns 30 segundos me insultando, chamou pelo próximo da fila. NUH, que ódio que me deu!

  5. luademochila disse:

    Tivemos um estresse também com a tal da vendedora de sorvete. Mesmo falando em italiano, novamente com educação, foi ríspida e ainda nos roubou, cobrando o sorvete mais caro do que qualquer outro sorvete que experimentamos na viagem. Mas dali em diante isso não nos abalou mais, pois a grande maioria com quem interagimos nos tratou muito bem. É aquela coisa, por toda parte há gente boa e gente babaca, acho que demos mais sorte no resto da viagem.

  6. Márcio disse:

    Parabéns pelo site de vocês. Roma é o lugar em que mais encontrei pessoas mal-educadas em todas as viagens que já fiz! Agora só um pequeno detalhe, acharam que iriam ver o que nas ruínas do fórum romano?

    • luademochila disse:

      Obrigado, Márcio. Acho que cidades muito grandes acabam atraindo esse tipo de gente estressada e sem educação. Com relação ao Fórum, esperamos algo como Herculano, ruínas mais preservadas, que parecessem mais com o que eram. No Fórum, vimos muitos lugares que não eram mais do que pequenos pedaços de colunas. O próprio Coliseu é bem preservado. Também achei Pompeia mais bem preservada, lembra uma cidade.

      Abraços.

      • Mauricio Cardoso disse:

        Eu tive a sorte de procurar pelo que havia no Forum, então fui pesquisando cada pedaço da Via Ápia, assim o que achei era coisa como a constatação do que iria ver, como por exemplo a porta de cobre de 300 a.C. no Templo de Rômulo.

        Quanto à falta de educação, eu não sei se o fato de sorrir muito (e atoa, rsrsr, mas não como um bobo, né!!!) mas em Roma não fui mal tratado. Apenas ao pagar 2 gelatos, pois iria saborear um seguido do outro, rs, fui assentar nas mesas (onde não havia ninguém, inclusive) do lado de fora e o garçom disse que não podia. Fui direto ao caixa não entendendo nada, e ao perguntar porque não podia, já disposto a pedir meu dinheiro de volta, o dono, percebendo tudo, liberou.

        No mais, gerais, rsrsrrs

      • luademochila disse:

        No caso da mulher da sorveteria, isso foi exceção. No geral, fomos muito bem tratados na Itália e mais ainda na França. Gente babaca tem por toda parte, o comportamento sociopata dessa mulher é algo dela, não meu. Eu tenho cara de sério, mas procuro ser sorridente (basta ver nas fotos) e sempre inicio qualquer conversa com as palavras mágicas – bom dia, com licença, por favor. Nem sempre é suficiente, ainda mais num lugar que tem tanto turista que muita gente deve ter raiva disso.

  7. Maisa Fanckin disse:

    Ola, gostarika daopinao de voces, sera que vale a pena alugar um carro para ir de Roma a Pisa, Lucca, Florenca e devolver qdo chegar em Veneza? Pensamos no carro por causa da bagagem, nao eh cansativo ficar rodando com mala pegando trem?

    • luademochila disse:

      Oi, Maisa. Você pode ter problemas com o trânsito na saída de Roma, não é nada fácil. Além do mais, há as chamadas Zonas de Tráfego Limitado em Florença e redondezas, pesquise MUITO a respeito para não ter surpresas e ganhar multas. Alugar carro na região dizem ser ótimo, mas tem que ir preparada. E sim, pode ser cansativo rodar com mala no trem, por isso a gente recomenda se deslocar o mínimo possível. Abraços.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s